quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Gritos Silenciosos (Angela Marsons)

Em tempos, reunidos à volta de uma campa rasa, eles fizeram um pacto. Todos tinham segredos que precisavam de guardar e, por isso, o preço a pagar para os manter a salvo parecia pequeno. Mas agora o passado voltou. Primeiro, uma mulher é encontrada afogada numa banheira. Depois, um homem é morto em sua casa e a única relação entre ambos é o orfanato onde em tempos trabalharam. E, quando as atenções se voltam para Crestwood, uma descoberta macabra é feita junto ao local. Surge então a evidência de um mistério com muitos anos - e sabe-se lá quantas vítimas. Mas a pergunta a que Kim Stone precisa de responder não tem resposta fácil: quem é o culpado?
Intenso, intrigante e, no global, cheio de qualidades, este é um livro que cativa desde as primeiras páginas e agarra até ao fim. Desde os primeiros laivos de intriga às grandes revelações do final, passando pelo percurso de pista em pista, pelos novos crimes que vão surgindo e pelas revelações pessoais sobre as várias personagens, tudo se conjuga numa teia de acção e mistério que é pouco menos do que irresistível. 
Há três aspectos principais que importa referir sobre este livro: escrita, enredo e construção de personagens. Todos igualmente relevantes e todos muitíssimo bem desenvolvidos, conjugam-se num equilíbrio perfeito, para dar voz a um mistério viciante, cheio de surpresas e em que tudo - grandes revelações e pequenas coisas - se conjuga na perfeição. 
Mas vamos por partes. Parte do que faz com que esta história prenda desde as primeiras páginas é a forma como está escrita. Capítulos curtos e um estilo de escrita bastante directo, mas em que há espaço para uma visão dos sentimentos e pensamentos das personagens, para momentos de inesperada emoção e ainda para laivos de um humor muito agradável, fazem com que a leitura flua com total naturalidade. As páginas passam-se sem esforço e fica sempre a vontade de ler mais um capítulo, para saber logo o que acontece a seguir. 
O que me leva ao enredo. Não há praticamente nada de previsível nesta história e, porém, depois de saber a resposta, é incrivelmente notório que as pistas estavam lá. Isto torna-se particularmente interessante porque permite acompanhar um pouco mais de perto os percursos mentais da protagonista, realçando as dificuldades da sua posição. Além disso, ao cruzar o caso principal, que é todo ele cheio de surpresas, com a história da própria protagonista, cria-se também uma maior proximidade. É possível compreender Kim Stone na sua ânsia de encontrar o culpado.
E isto leva-me às personagens. Kim Stone é uma protagonista fascinante. Pouco sociável, quase desajeitada na intervenção com as pessoas, mas, apesar disso, com uma sensibilidade acima da média, surge como uma personalidade complexa, carismática e com a qual é fácil sentir proximidade. É diferente, é inesperada... e, por isso mesmo, é fascinante. E o mesmo se pode dizer do resto da sua equipa, todos eles com os seus traços característicos e formando uma unidade sólida e muito, muito eficaz. 
Tudo isto converge num equilíbrio perfeito. O resultado é uma leitura viciante, com uma história surpreendente, personagens muito fortes e uma escrita tão cativante como o enredo a que dá voz. A soma das partes é um início de série brilhante. E que recomendo sem reservas. 

Autora: Angela Marsons
Origem: Recebido para crítica

Sem comentários:

Enviar um comentário