terça-feira, 11 de outubro de 2011

A Paixão de Jane Eyre (Charlotte Brontë)

Depois de uma infância vazia de afeições e de uma passagem de oito anos por uma escola de regras estritas e preconceitos revoltantes, a vida de Jane Eyre muda quando, aos dezoito anos, se torna perceptora em Thornfield Hall. O lugar é calmo, ainda que sombrio e melancólico, e a sua aluna é, apesar de um pouco mimada, uma figura cativante. Mas é no proprietário da casa que Jane encontra um ponto de fascínio e de afecto. Soturno e misterioso, Mr. Rochester desperta, com a sua natureza firme, mas contraditória, uma curiosidade que cedo se transforma em afeição aos olhos de Jane. Mas há um grande segredo em Thornfield Hall e não há felicidade que perdure sem obstáculos.
Escrito do ponto de vista da protagonista e centrado, em grande parte, no seu crescimento tanto em personalidade como em experiências de vida, há, ao longo de todo o livro, um interessante equilíbrio entre a construção dos cenários e o desenvolvimento das personagens. Ao acompanhar Jane desde a infância, torna-se notória a evolução dos seus valores, bem como o crescimento da sua determinação. Acompanha-se, pois, tudo um desenvolvimento da personalidade através das experiências marcantes, proporcionando momentos de grande emotividade, bem como reflexões profundas e pessoais.
As dificuldades que, desde cedo, marcam a vida de Jane criam uma empatia quase imediata. E, contudo, é no contraste entre a sua natureza e o temperamento soturno e autoritário de Mr. Rochester que os mais vincados traços de personalidade se reflectem. Quando uma dura escolha se impõe, são os princípios, a consciência do que tem de fazer, que definem as acções de Jane, e isto acontece tanto para com Rochester como, mais tarde, para com St. John.
Mas nem só das personagens e do seu impressionante crescimento vive a história e o mistério de Thornfield Hall contribui também para a envolvência da narrativa. Há, desde os primeiros acontecimentos inexplicáveis àquele toque de sobrenatural que, por vezes, se insinua, passando, é claro, pela grande revelação do segredo de Rochester, todo um ambiente de tensão no enigma que permanece sem resposta - e, mais tarde, nas suas consequências.
Com uma escrita belíssima, momentos de grande emotividade e uma marcante história de escolhas, valores e consequências, um livro cativante e com um interessante equilíbrio de mistério e sentimento. Muito bom.

1 comentário:

  1. Acho que não poderia ter dito melhor. É um dos meus livros preferidos :)

    ResponderEliminar