domingo, 1 de janeiro de 2012

Esmeralda Cor-de-Rosa (Carlos Reys)

De um homem com muitas histórias para contar e de como, numa longa relação com um amigo, essas histórias se tornam nas linhas que definem uma narrativa onde tantas vidas se cruzam. Assim se poderia definir Esmeralda Cor-de-Rosa, história de amores e de mortes, de vidas trocadas, de crescimento, de aprendizagem... de humanidade, em suma. História de mulheres que sofrem, de gente que luta, que persiste e que sobrevive. História de muitas histórias, que se cruzam e que, mais que uma vida, definem um lugar feito das vidas que o povoam.
Escrito de forma fluída e cativante, ainda que com uma forma muito própria de organizar os acontecimentos, Esmeralda Cor-de-Rosa surpreende, em primeiro lugar, pela forma como as diferentes personagens se cruzam, com as suas diferentes histórias e ligações. Ainda que o nome que dá título a este livro pertença a uma personagem relevante para a narrativa, não se pode dizer que se trate de uma protagonista em destaque. Na verdade, são vários os protagonistas, sem que haja um destaque evidente para um deles, evidenciando-se antes a totalidade que todas as suas histórias definem. Tão importante como o percurso de Esmeralda, com o seu ponto alto na interacção com Figas, está a história de Sara e do mistério da sua vida, ou de Violeta com a sua submissão a uma vida de sofrimento. Nenhuma delas, por si só, define o livro, mas as suas histórias, como as dos restantes, definem um retrato complexo e preciso de uma sociedade com o melhor e o pior da vida, com tanto de indiferença como de bondade. O retrato de um lugar que poderia corresponder a qualquer terra relativamente pequena, onde todos se conhecem e as ligações são mais que muitas.
Um outro aspecto a referir é a forma como os elementos mais misteriosos são abordados, principalmente na história de Sara. Se os detalhes essenciais são apresentados ao leitor, da forma clara que caracteriza toda a narrativa, já para as personagens há segredos que permanecerão ocultos durante toda a história. E se isto deixa a impressão de que houve assuntos que ficaram inacabados, fica também a sensação de um maior realismo, já que são muitas as vezes em que, na vida, segredos e mistérios ficam por desvendar.
História de múltiplas vidas e de muitas boas e más experiências, Esmeralda Cor-de-Rosa é um interessante e envolvente relato de histórias que se cruzam, uma leitura cativante, com momentos marcantes e uma série de surpresas para descobrir. Uma boa leitura, em suma.

1 comentário: