domingo, 5 de junho de 2011

A Redenção (Rafael Loureiro)

Resolvidos os conflitos pendentes e restaurada a paz em Arcana, a missão de Daimon DelMoona parece estar cumprida. Mas há uma guerra interior que não cessa, o conflito contra o Ser Impuro e, ante acontecimentos que abalarão a sua já fragilizada resistência, as forças de Daimon estão perto do fim. Resta, pois, uma última esperança, algo que parece ser pouco mais que uma lenda, mas que motivará, ainda assim, a sua busca derradeira. Pois, caso a Redenção seja possível, não serão válidos todos os sacrifícios?
Termina neste livro a história de Daimon DelMoona. E o vampiro que aqui nos é apresentado surge de uma forma mais pessoal, mais envolvida com a sua própria natureza e menos com o mundo em volta. Este Daimon, confuso, perdido, atormentado pela sua própria natureza, vive mais uma vez um conflito interior e é a intensidade dos seus demónios que torna esta história mais emotiva, mais próxima a uma resistência pessoal que propriamente a uma defesa do mundo circundante.
É, pois, num tom sombrio e melancólico que se inicia a narrativa, numa emotividade marcada pelo desespero que as perdas inevitáveis vêm agravar. E se, por momentos, essa sensação de perda chega a ser angustiante, serve também para criar empatia e curiosidade para a improvável demanda em que Daimon e Lília se encontrarão envolvidos. Demanda que, ainda que centrada nos seus objectivos pessoais, virá a revelar também ameaças claras e mais abrangentes que dão uma nova importância ao objectivo principal da busca.
Mais até que o percurso por entre diversos lugares e culturas, o mais interessante acaba por ser a forma como ambos os vampiros e respectiva relação evoluem ao longo do enredo, já que, através dos conflitos, das dúvidas e, principalmente, com o surgir de um inimigo exterior, os laços que os unem saem fortalecidos, contribuindo para um final marcante, onde tanto a máxima vulnerabilidade como as pequenas forças de cada um são mostradas em toda a sua amplitude.
Ainda uma breve referência para os conteúdos da edição especial. Ainda que não sejam necessários para apreciar plenamente a narrativa, é interessante explorar os conteúdos do DVD, onde a essência da trilogia é transposta - de forma bastante cativante - para outras formas de expressão.
De leitura agradável, com uma história cativante e um ambiente de grande emotividade, que evolui da opressão para a esperança e culmina num final surpreendente, A Redenção conclui em beleza um caminho que, ainda que feito de momentos sombrios, sempre apresentou muito a descobrir. E, de um protagonista que descobriu a custo o seu próprio caminho, fica uma imagem de valores que, no essencial, permanecem imutáveis, sendo também isso uma grande parte do que cativa neste livro.

Sem comentários:

Publicar um comentário